segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Cuba - Delícias da Ilha

Poucas lembranças ficaram dos hábitos culinários anteriores à chegada dos espanhóis a Cuba. Talvez somente os tamales, presentes em grande parte das culturas indígenas da região, guardem traços daquele período: as folhas de bananeira, de milho ou do inhame, o fubá. No entanto, costumam vir acompanhados da carne de porco, que chegou à ilha com os espanhóis.

Ao longo de 400 anos, a cozinha cubana experimentou sabores que combinavam produtos e costumes de diferentes culturas. Não há como negar a importância da influência espanhola na culinária desta parte do Caribe, assim como o peso das sucessivas levas de escravos africanos. Com eles, vieram o quiabo e pratos característicos de todas as regiões da África.
Os africanos perpetuaram o gosto dos aborígines pela iúca, trouxeram seus ingredientes, criaram seus guisados. Alguns deles se tornaram emblemáticos, como o "Mouros e cristãos". Já com a denominação cubana, arroz congrí, a situação muda de figura. Feijão-preto ou feijão-vermelho guisados com arroz, pimentão, cebola e um pedaço de carne de porco compõem este prato.

A influência africana também se faz presente nos tostones --banana-verde cortada em rodelas, prensada e frita-- ou no fufú --espécie de purê feito também com bananas verdes. Melhor seria dizer que a África se revela nas muitas receitas que têm a banana como ingrediente --das mais simples às mais originais, como a sopa de banana-verde.

Merecem ainda destaque os chineses que, após a abolição do tráfico de escravos, também chegaram à ilha oferecendo sua mão-de-obra barata. Ao todo, quase 200 mil indivíduos perpetuarem ali seus usos culinários, acelerando o processo de mestiçagem.
Chama-se cozinha crioula a combinação da cozinha espanhola com os produtos mais característicos de Cuba. O ajiaco é um bom exemplo: o tradicional cozido espanhol com um colorido cubano. Neste caso, cozinham-se as carnes com produtos da terra --como a batata, a iúca, o inhame, a batata-doce, a banana, a abóbora e o milho.

Também vale destacar a influência castelhana nos grelhados e leitões assados, recheados ou não, assim como da cozinha andaluza, em pratos inspirados no tradicional caldo de perro de Cádiz. Há também quem aponte estreita relação entre o cozido levantino e os ajiacos.

Apesar de a cozinha cubana acolher tantas influências, como se viu até agora, ela também tem suas preferências. Para começar, percebe-se uma absoluta devoção pela carne de porco. Vem sempre acompanhada de arroz, feijões e uma longa lista de produtos "imprescindíveis", sem os quais o porco, o arroz e os feijões perderiam a graça.

As frutas completam o cardápio do mundo vegetal. Além daquelas próprias dos climas tropicais, como o coco, o abacaxi, a goiaba, a papaia, a graviola, o maracujá ou o abacate, encontram-se também a laranja, a toranja, os figos, as uvas-passas, que dão um toque especial a pratos de carne e peixe e revolucionam os sabores da confeitaria.
Mas falta ainda falar do mar. A ilha conta com várias espécies. Oferece da lagosta, verdadeira rainha dos mares do Caribe, aos crustáceos de peso, como o camarão e o camarão-tigre. Destacam-se ainda o cherne, o pargo, a corvina, a moréia, atuns, cavalas e outras espécies que encantam alguns pratos da culinária cubana.

O que comem e bebem os cubanos

Pratos e petiscos

Moros y Cristianos – arroz e feijão preto cozidos na mesma panela com carne de porco.
Congrís – arroz e feijão vermelho cozidos na mesma panela.
Picadillo a la habanera – carne bovina ou de porco temperada com tomates, pimentão, azeitonas e uvas-passas. Pode ser servido com banana frita e arroz e ainda ovos.
Ajiaco – é o prato nacional. Guisado de vegetais feito de raiz de mandioca, nabos, cenoura, ervas, alho, cebola, pimentão verde. Pode ser feito com carnes de cedro.
Chicharrones de puerco – torresmos de porco.
Plátanos – bananas fritas cortadas bem finas.

Sobremesas

Guenguel – doce feito com milho moído, açúcar e canela.
Frutas frescas ou em calda – coco, goiaba, mamão papaya.
Sorvetes – baunilha e canela.
Arroz com leite
Pudim de leite
Goiabada com queijo

Bebidas

Champola – feita com guanábana, açúcar de cana e leite.
Guarapo – sumo da cana de açúcar com gelo. É comumente encontrado nas ruas da ilha, feito em pequenas prensas elétricas.
Pru – refresco originário do oriente do país feito a base de raízes. É digestivo e toma-se bem gelado.
Limonada – bebida feita e servida geralmente nas residências.
Café – servido em pouca quantidade e muito forte.
Sucos de fruta – preparados com água ou leite.

Bebidas alcóolica

Mojito

Rum – elaborado a partir do extrato da cana de açucar. O processo de envelhecimento é natural feito em tonéis de carvalho branco em ambiente com umidade e acidez controlados. O de maior prestígio internacional é o Havana Club, antes chamado Bacardí, fundado em 1878. Tem diversas categorias: Silver Dry, Anejo 3 años, Añejo 5 años, Añejo 7 años e Añejo Reserva.
Cerveja – as mais famosas são Bucanero e Cristal.
Daiquiri – feito com açúcar, suco de limão, gotas de marrasquino, rum branco, gelo picado. É servido em copo de champanhe.
Mojito – drinque feito de rum branco e seco, suco de limão, açúcar, gelo picado, soda e yerbabuena, uma erva parecida com hortelã (para decorar e dar sabor ao ser amassada). O escritor norteamericano Ernest Hemingway tornou a bebida famosa e a maioria dos turistas não deixa a ilha sem saborear este drink no bar preferido do escritor: La Bodeguita del Medio.
Cuba Libre – rum branco, cubos de gelo, refresco de cola, gotas de limão.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Dez países que você precisa conhecer por sua gastronomia

A gastronomia do Marrocos se carateriza pela sua grande variedade de pratos, mas os mais conhecidos e emblemáticos são cuscuz e tajine.  Carne, cordeiro, frango, e até pombo, com muitos legumes, temperos e farinha de sêmola são os ingredientes usados para prepará-los. E nada melhor do que terminar uma boa refeição marroquina com bolinhos típicos locais, à base de amêndoa, frutas secas e massa folhada com um delicioso chá de hortelã  Foto: Getty Images
A gastronomia do Marrocos se carateriza pela sua grande variedade de pratos, mas os mais conhecidos e emblemáticos são cuscuz e tajine. Carne, cordeiro, frango, e até pombo, com muitos legumes, temperos e farinha de sêmola são os ingredientes usados para prepará-los. E nada melhor do que terminar uma boa refeição marroquina com bolinhos típicos locais, à base de amêndoa, frutas secas e massa folhada com um delicioso chá de hortelã.

A gastronomia francesa é considerada a mais sofisticada e elaborada, a mãe de todas as gastronomias.  Na França, come-se bem tanto nos restaurantes de chefs com estrelas do guia Michelin, quanto em pequenos bistrôs nos quatro cantos do país. Curta os inúmeros restaurantes de Paris, com a vista de uma cidade cheia de charme a atrativos. Ou  experimente a cozinha do sul, mais mediterrânea, a do leste, com influências alemãs,  ou explore as especialidades da Bretanha  Foto: Jean François Tripelon-Jarry / ATOUT FRANCE/Divulgação
A gastronomia francesa é considerada a mais sofisticada e elaborada, a "mãe de todas as gastronomias". Na França, come-se bem tanto nos restaurantes de chefs com estrelas do guia Michelin, quanto em pequenos bistrôs nos quatro cantos do país. Curta os inúmeros restaurantes de Paris, com a vista de uma cidade cheia de charme a atrativos. Ou experimente a cozinha do sul, mais mediterrânea, a do leste, com influências alemãs, ou explore as especialidades da Bretanha.
Foto: Jean François Tripelon-Jarry / ATOUT FRANCE/Divulgação

A cozinha peruana, nos últimos anos, vem ganhando notoriedade internacional. Com o ceviche (peixe cortado em dados e marinado em limão, acompanhado de batata doce e milho) como estandarte, o Peru tem também uma grande quantidade de pratos característicos de suas diferentes regiões: litoral, Andes e Amazônia. Na capital, Lima, encontra-se uma grande variedade de restaurantes onde é possível provar todas as especialidades do país e alguns dos melhores restaurantes da América do Sul.
Foto: Fabiana Bertone/Divulgação

Mais um pais onde não é necessário ir aos restaurantes caros ou famosos para comer bem. Ao visitar as diferentes regiões da Itália você irá encontrar especialidades, frequentemente baseadas em ingredientes clássicos da cozinha mediterrânea, como tomates, muçarela e manjericão - combinação que, por sinal, tem as cores da bandeira italiana. Para completar, excelentes vinhos, prosciutto (presunto cru), queijos e gelattos (sorvetes), farão o seu paladar agradecer a viagem.

A comida tailandesa é para muitos sinônimo de exotismo, mas é uma das mais procuradas da Ásia e costuma agradar todo tipo de gosto. Com muito arroz e legumes, misturados com carne, frango e peixe com temperos únicos e muitas vezes bem apimentados, a Tailândia tem tanto pratos simples como muito sofisticados. As especialidades são incomparáveis quando compradas em feiras de ruas, tanto em Bangkok, capital do país, como nas áreas turísticas do sul, como Phuket e Koh Samui.
Foto: stock.xchng/Divulgação

Amantes da gastronomia podem achar um sacrilégio incluir os Estados Unidos numa lista de melhores cozinhas. Mas o país leva a sua junk food muito a sério. Com certeza, você comerá o melhor hambúrguer de sua vida em algum lugar de Nova York, como o Cozy Soup in Burger, e ótimas pizzas em Little Italy, bairro italiano da cidade.


Não é por acaso que a comida mexicana ganhou semelhante notoriedade mundial: guacamole, margaritas e tacos são algumas especialidades reproduzidas no mundo inteiro. Mas viajar no país mostra aos visitantes uma impressionante gama de sabores, em pratos variados e, muito, muito apimentados. A gastronomia mexicana se baseia principalmente milho, usado para fazer as tortillas que envolvem tacos e fajitas, abacate, feijões, carne, e muitos tipos de "chile" para paladares corajosos.
Foto: stock.xchng/Divulgação


A imigração de japoneses nos deu a sorte de ter uma das melhores cozinhas japonesas do mundo. Mas não é a mesma coisa que provar sushis e sashimis, e infinitos outros pratos, sentado em um restaurante da Terra do Sol Nascente. No cardápio, muito arroz e frutos do mar, soja e macarrão são apenas alguns dos ingredientes. O café da manhã japonês é uma boa mostra da diferença cultural a se esperar na gastronomia: arroz, peixe assado, algas e sopa de pasta de soja, entre outras iguarias.
Foto: JNTO/Divulgação


A Argentina é um dos destinos prediletos dos brasileiros para feriados e finais de semana em família ou a dois. A fama das carnes do país é internacional e um almoço em uma boa "parrilla" (churrascaria) não tem como decepcionar. Ainda mais se há empanadas como entrada. A carne é acompanhada por um vinho tinto argentino e um sorvete de sobremesa. Se tiver coragem, peça uma "parrillada completa" e descubra o que os hermanos comem todas as partes da vaca ou do touro.


Comer é, na Espanha, coisa muito séria. Os espanhóis são conhecidos pelo seu ritmo de vida divertido, com festas a noite inteira e almoços e jantares que começam tarde, mas satisfazem o apetite impaciente. Paella, arroz, frutos do mar, peixes, presuntos, queijos, vinhos, azeites, e, claro, as inevitáveis tapas, fazem parte do cardápio variado, completo e, de modo geral, muito saudável da gastronomia da Espanha.

Foto: Getty Images

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Salada Caprese - Reformulada

A salada Caprese é uma velha conhecida. Sim, ela é simples, mas com esses ingredientes mediterrâneos ela, eu e você não precisamos mais do que isso para ser felizes e ficarmos bem alimentados. Esqueci: em forma também!

2311salada-de-veraoiiif1

Ingredientes:

Salada Caprese
• 10 tomates maduros
• 5 mussarelas de búfala grandes
• manjericão
• azeite extra virgem
• sal
• água com gelo

Marinada
• 500 ml de azeite extra virgem
• 1 lt de óleo de milho
• 1 maço pequeno de manjericão
• 1 cabeça de alho
• 1 colher (chá) de sal
• 1 colher (chá) de açúcar

Modo de Preparo:

Coloque todos os ingredientes da marinada em uma panela, aqueça por 7 minutos em fogo médio. Retire do fogo, deixe esfriar. Passe por uma peneira. Com uma faca pequena, faça um X pequeno na parte de baixo do tomate cortando somente a pele. Em uma panela com água fervendo, coloque os tomates por 30 segundos. Retire e imediatamente coloque na água com gelo para parar o cozimento. Espere uns 10 minutos antes de manusear. Tire do gelo o retire a pele dos tomates. Coloque os tomates dentro da marinada e deixe por pelo menos 24 horas na geladeira.

Corte uma fatia da mussarela, coloque no centro do prato coloque o tomate sobre a mussarela. Acerte o sal regue com azeite e folhas de manjericão.



quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Conheça as razões que fazem o estômago inchar em minutos

Comida requentada- Algumas pessoas sofrem o inchaço apenas quando comem em restaurantes, de acordo com a nutricionista britânica, Luci Daniels. Ela explica que a causa para o inchaço é que em muitos lugares estes alimentos são requentados.  O reaquecimento de alimentos ricos em amido muda a estrutura molecular e transforma o amido resistente à digestão no intestino delgado. No intestino grosso, a bactéria que ajuda a decompor o alimento produz gás e causa o inchaço   Foto: Getty Images
Comida requentada - Algumas pessoas sofrem o inchaço apenas quando comem em restaurantes, de acordo com a nutricionista britânica, Luci Daniels. Ela explica que a causa para o inchaço é que em muitos lugares estes alimentos são requentados.
O reaquecimento de alimentos ricos em amido muda a estrutura molecular e transforma o amido resistente à digestão no intestino delgado. No intestino grosso, a bactéria que ajuda a decompor o alimento produz gás e causa o inchaço.
Hormônios -  Os hormônios durante o ciclo menstrual da mulher são uma causa comum do inchaço. O problema pode estar associado aos músculos relaxados, de acordo com a ginecologista e obstetra inglesa Leila Hanna. Segundo ela, durante a ovulação os ovários produzem mais progesterona e a substância faz com que os músculos do abdômen relaxem. Os músculos do intestino ficam menos eficientes no transporte dos alimentos, o que pode causar prisão de ventre e agravar o problema  Foto: Getty Images
Hormônios - Os hormônios durante o ciclo menstrual da mulher são uma causa comum do inchaço. O problema pode estar associado aos músculos relaxados, de acordo com a ginecologista e obstetra inglesa Leila Hanna.
Segundo ela, durante a ovulação os ovários produzem mais progesterona e a substância faz com que os músculos do abdômen relaxem. Os músculos do intestino ficam menos eficientes no transporte dos alimentos, o que pode causar prisão de ventre e agravar o problema.

Chicletes - Ao mascar chicletes a pessoa tende a engolir mais ar, o que causa o inchaço no abdômen, de acordo com o professor de medicina Peter Whorwell. As gomas sem açúcar são ainda piores, pois têm ingredientes como o sorbitol e xilitol, fermentados por bactérias no intestino. Comer rapidamente também causa o problema  Foto: Getty Images
Chicletes - Ao mascar chicletes a pessoa tende a engolir mais ar, o que causa o inchaço no abdômen, de acordo com o professor de medicina Peter Whorwell. As gomas sem açúcar são ainda piores, pois têm ingredientes como o sorbitol e xilitol, fermentados por bactérias no intestino. Comer rapidamente também causa o problema.

Dieta saudável - Tudo o que é saudável provoca inchaço, de acordo com o professor de medicina Peter Whorwell. Alimentos ricos em fibras, como cereais, feijão e leguminosas causam o aumento do abdômen por causa da fermentação no intestino. Comer grandes quantidades de frutas frescas, nozes e sementes culminam na fermentação destes alimentos no intestino e inchaço   Foto: Getty Images
Dieta saudável - Tudo o que é saudável provoca inchaço, de acordo com o professor de medicina Peter Whorwell. Alimentos ricos em fibras, como cereais, feijão e leguminosas causam o aumento do abdômen por causa da fermentação no intestino. Comer grandes quantidades de frutas frescas, nozes e sementes culminam na fermentação destes alimentos no intestino e inchaço. 
Antibióticos - A falta de boas bactérias pode colaborar para o aumento da circunferência do abdômen. A flora intestinal estimula o processo digestivo e mantém as células do intestino saudáveis. Quando a pessoa toma antibióticos, perturba o equilíbrio destas bactérias, de acordo com a especialista em alergia e nutricionista Marianne Williams   Foto: Getty Images
Antibióticos - A falta de boas bactérias pode colaborar para o aumento da circunferência do abdômen. A flora intestinal estimula o processo digestivo e mantém as células do intestino saudáveis. Quando a pessoa toma antibióticos, perturba o equilíbrio destas bactérias, de acordo com a especialista em alergia e nutricionista Marianne Williams.

Estresse - Existe uma ligação entre cérebro e intestino, segundo o professor Whorwell. O estresse acentua o problema de quem sofre de intestino sensível.  Na maioria dos casos, a pessoa já tem o problema de digestão, mas a angústia e nervoso podem desencadeá-lo e até agravar a doença   Foto: Getty Images
Estresse - Existe uma ligação entre cérebro e intestino, segundo o professor Whorwell. O estresse acentua o problema de quem sofre de intestino sensível. Na maioria dos casos, a pessoa já tem o problema de digestão, mas a angústia e nervoso podem desencadeá-lo e até agravar a doença.
 Alergia ao glúten - A alergia ao glúten pode provocar um inchaço desconfortável, de acordo com a especialista em alergia alimentícia, Marianne Williams. Muitos pacientes passam anos sem saber que têm a doença, segundo ela. Outros sintomas são anemia, problemas de fertilidade e dores nas articulações   Foto: Getty Images
Alergia ao glúten - A alergia ao glúten pode provocar um inchaço desconfortável, de acordo com a especialista em alergia alimentícia, Marianne Williams. Muitos pacientes passam anos sem saber que têm a doença, segundo ela. Outros sintomas são anemia, problemas de fertilidade e dores nas articulações.

Foto: Getty Images

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Retrospectiva: Convidados que brilharam no Super Chef

sex, 05/08/11 por Editor
categoria Notícias




















Como não poderia ser diferente, as provas do 








Super Chef contaram com jurados muito especiais; além da chef Ludmilla Soeiro, única que acompanhou a trajetória dos participantes do início ao fim. Difícil dizer qual participação foi a mais marcante. Estiveram no programa atrizes e atores, apresentadores, chefs renomados e uma multidão de gente.

Quanta emoção não foi a Prova do Restaurante, em que 34 pessoas foram convidadas para um almoço executivo? O chef carioca Felipe Bronze, do restaurante Oro, esteve lá e conferiu a performance dos competidores. A participação do ator Luigi Baricelli (Insensato Coração) e do famoso chef Alessandro Segato também foi inesquecível. Os dois foram jurados na última prova que decidiu os finalistas do programa. “Tão bom julgar os pratos, mas, ao mesmo tempo, muito difícil dar as notas”, comentou Luigi.

Os apresentadores que marcaram presença no programa são bem conhecidos pelo grande público: Zeca Camargo, Bruno De Luca e André Marques, do Vídeo Show. O primeiro participou da Prova da Pressão; o segundo conheceu as técnicas de cozinha molecular dos participantes numa prova surpresa; e o último provou as receitas de café da manhã à base de ovo.

O vencedor da primeira edição do Super Chef, Henrique Novais, também esteve presente na banca de jurados; ao lado do prefeito de Brogodó, da novela Cordel Encantado – o ator Marcos Caruso. Até o sócio do Antiquarius, Manuelzinho, foi para avaliar o melhor prato, que entraria no cardápio do seu restaurante por uma semana. Quem o ajudou nessa difícil tarefa foi o ator e gourmet Antonio Calloni, da novela O Astro.

Os respeitados chefs de cozinha Cássio Prado, Paulo Barroso (do restaurante Duo Cochi), Flávia Quaresma (do Carême Bistrô), Ivy Oliveira, Ana Salles, Nanda de Lamare (do restaurante Gula) e Dominique Guerin (do restaurante Le Pré Catelan) foram destaques dentro do programa. Eles avaliaram tecnicamente cada participante, sempre com observações pertinentes para contribuir com o aperfeiçoamento dos aspirantes a Super Chef. A participação do músico Leo Jaime (Amor e Sexo), do ator Leonardo Miggorim (Insensato Coração) e da atriz Zezé Polessa (Cordel Encantado) equilibrava a competição por ser um júri menos técnico.