segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Saiba as diferenças entre os tipos de chocolates, seus benefícios e malefícios


O chocolate é um alimento, encontrado na forma pastosa, sólida e de bebida doce ou amarga, feito a partir da amêndoa torrada do cacau. Antes dos espanhóis chegarem às Américas, os astecas já conheciam o cacau. Com ele, faziam um líquido escuro que chamavam de xocoatl (do náuatle xococ "amargo" + atl "água"). Em 1502, a ilha de Guanaja, habitada pelos Astecas, povo místico e religioso, recebeu a esquadra de Colombo. O navegador foi um dos primeiros europeus a provar o sabor do chocolate. Nos primórdios de sua existência, era tão valioso que chegava a ser utilizado como moeda de troca, além de usado em rituais e celebrações.

Após anos e anos de evolução (tanto no seu valor cultural, quanto na sua textura), atualmente, o chocolate é apreciado ao redor do mundo de diversas maneiras. De certa forma, ainda está presente em rituais e celebrações, pois em ocasiões especiais, as pessoas presenteiam umas às outras com chocolates, principalmente na Páscoa, quando os chocolates são embalados em formas de ovos e trocados entre amigos e parentes.

O chocolate é um alimento apreciado por todos, ainda mais sabendo que ele faz bem a saúde, pois possui propriedades funcionais de prevenir o câncer, doenças do coração, fortalecer o sistema imunológico, por conter polifenóis e flavonóides que são antioxidantes. Mas atenção! As quantidades destes compostos funcionais variam de acordo com o tipo de chocolate.

O chocolate libera endorfina e serotonina no organismo, hormônios que causam sensação de bem-estar, e é rico em carboidratos, que são fontes de energia. Os tipos variados de chocolate presentes no mercado possuem diferentes benefícios e malefícios, assim como valores energéticos que dependem de sua composição.

Apesar de saboroso, chocolate deve ser consumido com moderação. Ganho de peso, diarréia e outros problemas intestinais, e desnutrição são alguns dos efeitos do excesso de consumo desse alimento. Grandes quantidades podem piorar até a saúde cardiovascular, e causar problemas futuros no organismo.

"Um estudo da BBC indicou que um chocolate derretendo na boca de uma pessoa causa um aumento na atividade cerebral e nos batimentos cardíacos que é mais intenso do que o associado a beijos apaixonados, e que duravam quatro vezes mais tempo após o término na atividade."

Enquanto a formulação de uma legislação específica limitando a adição de açúcar e gordura nesses alimentos não acontece, o ideal é prestar atenção nos rótulos dos produtos, lembrando que a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda, para os adultos, até 50 gramas de açúcar por dia, e para crianças de até três anos, 14 gramas diárias no máximo.

Afrodisíaco??

A cultura romântica considera o chocolate um afrodisíaco. As famosas qualidades afrodisíacas do chocolate estão geralmente associadas ao simples prazer sensual de seu consumo. Além do mais, a natureza doce e gordurosa do chocolate estimula o hipotálamo, induzindo sensações prazerosas e elevando o nível de serotonina. Apesar de a serotonina ter efeitos prazerosos, em excesso pode ser convertida em melatonina, que, por sua vez, reduz a libido. Finalmente, o chocolate tem substâncias que podem ativar receptores canabinóides, o que causa sensações de sensibilidade e euforia. Um presente com chocolates é um ritual de corte muito comum.

Harmonizando vinho com chocolate "Bonus"


Para você entender melhor é preciso saber que na fabricação dos diferentes tipos de chocolates, são usados dois ingredientes principais;

Manteiga de cacau, rica em gordura saturada que não faz bem a saúde.
- Massa de cacau, rica em polifenóis e flavanóides, que faz do chocolate um alimento saudável e quanto maior a quantidade deste ingrediente mais saudável o chocolate é.
Chocolate Branco

Para os amantes de chocolate branco, uma péssima notícia, este chocolate possui muita manteiga de cacau e nenhuma (ou quase nenhuma) massa de cacau, sem falar na grande quantidade de açúcar. Portanto, se você quiser os benefícios do chocolate, definitivamente não será com o chocolate branco.

É o menos indicado, por não apresentar propriedades benéficas em sua composição, que em cários casos possui gordura hidrogenada.

Chocolate ao leite

Possui um pouco de massa de cacau, cerca de 15 a 30% da composição, sendo o restante dos ingredientes manteiga de cacau, açúcar, leite condensado e outros. Tanto o chocolate ao leite, quanto os outros tipos, também são menos calóricos em sua forma pura. Nozes, cremes, e outros componentes, por exemplo, também acrescentam gorduras ao alimento.

Prefira o chocolate ao leite em vez do branco, pois possui menos gordura hidrogenada e maior quantidade de cacau na composição, portanto, é menos calórico.

Chocolate amargo e meio amargo

Os chocolates meio amargo tem pelo menos 45% de massa de cacau e os chocolates amargos possuem pelo menos 60% deste ingrediente, eles possuem quase nenhuma quantidade de manteiga de cacau e pouca quantidade de açúcar. São estes dois tipos de chocolates utilizados nas pesquisas e que fazem a fama do chocolate como alimento funcional.

Na semente do cacau, existe uma substância antioxidante, chamada flavonóide, que age como protetor cardiovascular. Os flavonóides reduzem a oxidação do LDL (colesterol ruim). Porém, os benefícios dependem da quantidade de flavonóides presente no chocolate, e quantidades realmente significativas da substância só são encontradas no chocolate amargo, com mais de 70% de cacau.

De acordo com a nutricionista Andréia Torres, o ideal é seja consumida uma quantidade equivalente a mais ou menos dois quadrados, para receber os benefícios antioxidantes do chocolate amargo, pois em excesso ele se torna nocivo, como qualquer outro.

Chocolate Diet

Nos chocolates diet, o açúcar é substituído por adoçantes. É um tipo de alimento geralmente desenvolvido para diabéticos, mas acaba sendo adquirido também por quem quer diminuir a ingestão de calorias.

Porém, trocar açúcar por adoçantes modifica a textura do alimento, e para conseguir a textura habitual, os fabricantes acabam adicionando mais gordura, tornando o valor calórico do chocolate diet igual ou maior ao de um chocolate convencional. O ideal para quem quer emagrecer é prestar atenção nos valores nutricionais dos alimentos, escrito nos rótulos dos produtos.

Postar um comentário