terça-feira, 16 de novembro de 2010

A história do café

Existem muitas lendas sobre a descoberta do café. A mais reconhecida é que cerca de 600 A.C., um pastor nas montanhas da Etiópia verificou que as suas cabras dançavam depois de comer algumas bagas. Ele próprio tentou e sentiu-se revigorado.

Os monges de um mosteiro próximo pensaram que os grãos os poderiam ajudar a permanecer acordados nas vigílias de oração que duravam toda a noite e a fama do café começou a espalhar-se. Comerciantes árabes levaram café para a Península Arábica onde os grãos foram cozidos em água para fazer uma bebida conhecida como qahwa – a origem da palavra “café” em muitas línguas.

A história mais recente do café é mais um facto do que ficção. Uma vez que o café era originalmente uma bebida Muçulmana, enfrentou uma luta difícil pela sua aceitação na Europa até que o Papa Clemente VIII o “batizou” no ano de 1600. A primeira cafetaria Europeia abriu em Veneza, não em Viena, no ano de 1645. Viena não apareceu no cenário das cafetarias senão no ano de 1683 – utilizando sacos de grãos deixados pelos Turcos derrotados na Batalha de Viena.

90% do café mundial, vem agora de uma planta que um oficial naval Francês roubou em 1723 aos Holandeses, que foram os primeiros a cultivar café comercialmente no Ceilão e em Java. Ironicamente, os Holandeses tinham contrabandeado a sua primeira planta de café no porto de Mocha, no Iémen no ano de 1690.
Os Estados Unidos da América foram uma nação de consumidores de café desde a Festa do Chá de Boston em 1773, quando o chá foi lançado ao mar em protesto contra as pesadas taxas impostas na colónia Norte-Americana pelos Britânicos. Tornou-se uma atitude patriótica beber café, e não chá.

Nos dias em que o café era escasso na Europa, pós II Guerra Mundial, “a morrer por um café ” assumiu um significado literal quando várias pessoas foram mortas em trocas de tiros entre traficantes de café e agentes aduaneiros ao longo da fronteira Alemã-Belga.
Atualmente, o café não é assim tão escasso. Na verdade, impulsiona o comércio mundial sendo a segunda mercadoria mais valiosa do mundo comercializada legalmente, rendendo cerca de 9 bilhões de dólares anuais.

Mais saudável do que imagina!

O café tem um problema de imagem – erradamente. As investigações mostram que o café não é necessariamente mau para a sua saúde.

O café e a desidratação
Embora o café tenha um efeito diurético temporário, os consumidores apaixonados de café podem considerar alegremente o café como parte da sua ingestão diária de líquidos.

O café e a capacidade intelectual
Estudos demonstraram que beber café melhora a sua memória e ajuda-o a concentrar-se.

O café e o desporto
O café tem um efeito positivo no desempenho, aumentando a energia, melhorando os tempos de reação e afastando o cansaço.

O café e as doenças
Estudos indicam que o café pode ajudar a evitar o cancro do intestino, a doença de Parkinson e a diabetes e não causa hipertensão crónica.

O café e o colesterol
O café não filtrado, se bebido frequentemente, eleva os níveis de colesterol, mas o café extraído em máquina de café tem apenas quantidades insignificantes de colesterol aumentado pelo cafestol e caveol.

O café e o álcool
O consumo regular de café mostrou reduzir o risco cirrose do fígado induzida pelo álcool.

Os cientistas sabem que algumas das mil ou mais substâncias existentes no café têm um efeito positivo na sua saúde, mas ainda pouco se sabe sobre muitas delas.

Postar um comentário