terça-feira, 20 de julho de 2010

Principais Variedades de Uvas Viníferas

- Uvas Brancas

Chardonnay 
Sua terra natal é Bourgogne, na França onde, durante anos, foi a única variedade responsável pela produção de vinhos brancos finos, sendo até mais conhecida do que os célebres vinhos Meursault ou Montrachet. A Chardonnay é a variedade mais nobre para a produção dos vinhos brancos.
A colheita da Chardonnay é uma hora crucial para a produção do vinho: ela deve ser colhida no momento ideal, pois com o avanço do amadurecimento a perda da acidez seria fatal para o vinho produzido.

Na Bourgogne a Chardonnay amadurece uma semana antes que sua conterrânea Pinot Noir, que produz vinhos tintos, mas conserva sempre uma regularidade e normalmente produz vinhos com alto teor alcoólico. Um Montrachet, por exemplo, alcança facilmente os 13º GL de álcool, embora a Bourgogne tenha uma tendência natural a chaptalização (adição de açúcar ao mosto).
A Chardonnay consegue manter suas características mesmo sendo cortada (assemblage) com outras variedades. Seus aromas frutados mais facilmente reconhecidos nos lembram a maçã, o abacaxi e o melão entre outros. A Chardonnay é uma variedade muito versátil, podendo produzir diferentes estilos de vinhos. Vejamos alguns exemplos:

No Mosel e no Vouvray, onde a fermentação é longa e à baixa temperatura e um engarrafamento precoce, temos um vinho de característica frutado e estruturado;
Fermentação em pequenos barris de carvalho com capacidade de 228 litros, a piéce de Bourgogne temos um vinho com aromas mais complexos, de defumados, de baunilha;

Na Champagne, onde é colhida mais cedo, entra na composição do vinho espumante de mesmo nome para lhe conferir elegância; no restante do mundo produz também vinhos espumantes de altíssimo nível;

Quando colhida tardiamente, produzindo assim vinhos botritizados (as uvas são atacadas por um fungo - Botrytis cinerea - e desidratam, concentrando os açúcares), nas regiões da Mâconnais, na Romênia e na Nova Zelândia.

Sauvignon Blanc
Cultivada principalmente no Vale do Loire e em Bordeaux, na França, onde é a responsável pela produção de vinhos brancos finos como o Pouilly-Fumé, Sancerre Blanc e todos os Bordeaux brancos.
Também é encontrada facilmente em todas as regiões do novo mundo como Chile, Argentina, Brasil, Califórnia, África do Sul, Austrália e Nova Zelândia, onde se adaptou muito bem e produz um dos melhores Sauvignon Blanc do mundo.

Exprime o melhor de si nos climas frios, exaltando sua vivacidade e intensidade aromática. Facilmente reconhecível pelas notas vegetais e minerais, dá origem a vinhos interessantíssimos e de grandíssima personalidade. Seu bom frescor e elegante agressividade gustativa harmonizam-se com pratos perfumados e saborosos como aspargos e hortaliças, massas com molho de tomate, queijos de cabra e pratos orientais.
Em corte (assemblage) com a uva Sémillon e atacada pela "Botrytis cinerea" (podridão nobre), produz os grandíssimos vinhos doces de Sauternes, uma região bem ao sul de Bordeaux.

Gewürztraminer
Variação de uma uva chamada Traminer, a Gewürztraminer tem como principal característica o grande e intenso aroma (que neste caso podemos chamar de perfume). Gewürz em alemão significa especiarias.
Plantada vastamente na região da Alsácia, na França e em Pfalz, na Alemanha, produz vinhos muito doces para acompanhar sobremesas e vinhos secos muito aromáticos. Encontramos essa também no novo mundo (Américas, África do Sul, Austrália e Nova Zelândia), mas o melhor clima para sua adaptação é o frio. 

- Uvas Tintas

Cabernet Sauvignon
Sua terra natal é Bordeaux, na França. É uma variedade de uva renomada em todo o mundo para a produção de vinhos tintos e encorpados.
A partir de sua base em Bordeaux, onde invariavelmente é cortada (assemblage) com outras variedades, alcançou outras regiões vinícolas na França e no velho mundo (Itália, Portugal e Espanha) e no novo mundo (Argentina, Chile, Califórnia, África do Sul e Austrália), onde tem sido cortada com variedades nativas e tem produzido vinhos varietais.

É a variedade mais importante na região de Bordeaux, principalmente no Médoc e Graves, duas sub-regiões , principalmente para os Grand Crus. As características dos vinhos produzidos com essa uva são a cor bem escura e profunda, um bouquet bem marcante lembrando principalmente o cassis e um sabor onde o tanino (substância que dá adstringência ao vinho tinto) é bem presente quando jovem e fica bem macio e elegante quando o vinho envelhece.

E o que faz a Cabernet Sauvignon ser facilmente reconhecida, não é o seu aroma primário (de frutas como o cassis ou lembrando ainda o pimentão verde), e sim sua estrutura e sua facilidade de se adequar às diferentes safras com suas diferentes características.
Talvez o mais extraordinário aspecto da Cabernet Sauvignon seja a sua resistência às mudanças tanto de solo quanto de clima/microclima, para poder fincar suas raízes em terras tão distantes e mesmo assim produzir vinhos que sejam prontamente reconhecidos como Cabernet Sauvignon, independentemente das circunstâncias.

A superconcentração de cor conferida ao vinho pelas cascas da Cabernet Sauvignon durante a vinificação, é um aspecto importante para os vinhos elaborados para longa guarda, normalmente vinhos ricos em extrato, densos e envelhecidos em carvalho.

Merlot
Cultivada em Bordeaux, na França, é uma variedade de uva renomada em todo o mundo para a produção de vinhos tintos finos e muito elegantes.
A sub-região de Bordeaux onde predomina é Pomerol, que produz um vinho famoso, conhecido, renomado e reverenciado, o Château Pétrus que é produzido na grande maioria das safras com 100% de Merlot.

Quando vinificada sozinha, esta uva produz vinhos macios, de boa estrutura, aromáticos e de grande elegância; quando vinificada em corte (assemblage) com Cabernet Sauvignon, as características da "parceria" são exaltadas, lapidando-lhe a aspereza. Suporta bem o amadurecimento na madeira e alcança ótimos resultados em todas as latitudes, no velho mundo (França, Itália, Espanha, Portugal e o restante da Europa) e no novo mundo (Chile, Argentina, Brasil, Califórnia, África do Sul, Austrália e Nova Zelândia).

Pinot Noir
Principal variedade de uva da região da Bourgogne é uma das mais inconstantes e problemáticas para a produção de tintos. Apesar de seus caprichos, quando chegam às mãos habilidosas e competentes dos produtores, se transformam nos mais suntuosos e aveludados vinhos da Cote D'Or.
A Pinot Noir é encontrada hoje em todas as regiões vinícolas do mundo, salvo as regiões mais quentes que produziriam vinhos sem mostrar toda a sua tipicidade.

Enquanto a Cabernet produz vinhos que encantam a mente, a Pinot Noir possui um fascínio decididamente mais sensual e transparente. Os produtores da Bourgogne já a utilizam para expressar a geografia local, mostrando toda a variedade de aromas e sabores de cada "appelation".
A característica mais comum da Pinot Noir em todo o mundo é um certo aroma adocicado e nível de tanino e pigmentação inferior a outras grandes variedades, como por exemplo Cabernet Sauvignon e Syrah.

Pinotage
A marca registrada da África do Sul é o tinto Pinotage, uma uva que surgiu em 1925 a partir do cruzamento entre Pinot Noir e Cinsault, que era conhecida naquela época como Hermitage. A união não só das uvas, mas de seus nomes criou o Pinot-Age. Seu aroma era muito característico costuma exibir notas de amêndoas tostadas no fim-de-boca. Os melhores produtores conseguem elaborar vinhos poderosos, de longa guarda e de aromas e sabores de pequenas frutas pretas.

Postar um comentário