segunda-feira, 26 de julho de 2010

Feijão

Nome científico: Phaseolus vulgaris L.
Família: Leguminosae
Origem: América do Sul e Central

Características da planta: Planta anual, um pouco pubescente, de caule finos, que pode atingir até 60 cm de altura, ou possuir hábito de trepadeira, atingindo assim 3 m de extensão. As folhas são compostas por três folíolos, sendo um terminal e os dois restantes laterais e opostos. O fruto é uma vagem de comprimento variável, de 10 a 20 cm, reta ou curvada, contendo numerosas sementes de cor e formato de acordo com a variedade; há assim feijões brancos, amarelos, vermelhos, pardos, róseos, pretos e pitalgos.

Características da flor: flores hermafroditas e dispostas em rácimos axilares muito mais curtos que as folhas. Apresentam cálice verde e a corola é composta por cinco pétalas de coloração branca, amarelada, rosada ou violácea.

*fonte: Flores do Alimento - Silvestre Silva - Empresa das Artes - 1997

O feijão é o alimento "típico" do prato do brasileiro e é responsável pela maior parte das proteínas que ingerimos. Apesar de sua importância, a produção não tem acompanhado o consumo e nem a produtividade tem aumentado de modo significativo, estando longe da alcançada pelos produtos chamados de exportação.

O feijão ainda tem uma especial importância pelo Brasil, não só por ser o maior produtor e consumidor mundial, mais também por ser uma das principais fontes de protéicas de nosso povo e além de, é claro, fazer parte do "prato brasileiro", juntamente com o arroz, bife e batata frita.

O cultivo do feijão

O feijoeiro comum é originado das regiões elevadas da América Central (México, Guatemala e Costa Rica), e é uma planta que deve ser cultivada em regiões ecologicamente favoráveis ao seu desenvolvimento, com temperaturas ao redor de 21° C. Não deve haver excesso de água nem deficiência, sendo ideal que a precipitação pluviométrica atinja aproximadamente 100mm mensais, bem distribuídos durante o ciclo da cultura. No Brasil, as terras do Estado de São Paulo, em sua maioria são ecologicamente favoráveis à cultura do feijão.


Qual é o feijão mais Ultilizado no Brasil?
Fábio Marton

Em matéria de feijão, o brasileiro é quase unânime – dominando 71% da produção, o tipo conhecido como carioca é o melhor amigo do nosso arroz. O que quase ninguém sabe é que o feijão mais popular do país do arroz-com-feijão só existe há 30 anos. O carioquinha – que recebeu esse nome por causa das suas listras, que lembram o calçadão de Copacabana – foi desenvolvido a partir de mutações e cruzamentos de outras variedades de feijão marrom, como o jalo e o mulatinho. Esse feijão turbinado produz o dobro das variedades tradicionais e, com preço mais acessível, dominou todo o país.

Todo? Não, duas aldeias ainda resistem... No Rio Grande do Sul e, ironicamente, no Rio de Janeiro, o "carioquinha" não tem vez. Segundo o historiador Carlos Antunes, da Universidade Federal do Paraná, a origem dessa diferença é dos tempos do Brasil colonial. Para ele, o consumo de feijão no Sul e Sudeste do Brasil seguiu o caminho de dois tipos de viajante: os tropeiros e os bandeirantes. Como esses exploradores iam fundando cidades por onde passavam, cada região acabou herdando o gosto de seu colonizador.

Os tropeiros, mercadores de produtos da agropecuária gaúcha, consumiam feijão-preto sem caldo e com farinha de mandioca, lingüiça e toucinho, para facilitar o transporte e conservação. Já os paulistas, goianos e mato-grossenses foram influenciados pelos bandeirantes, que levavam feijão marrom e com caldo em farnéis, bolsas de couro impermeáveis. O Rio de Janeiro aderiu ao feijão-preto quando a feijoada foi inventada, no século 19, e acabou abolindo todos os outros tipos da leguminosa.

A região de Belém do Pará tem a história mais curiosa: o gosto regional por feijão-manteiguinha e fradão – variantes do feijão americano de chili – foi introduzido pelos funcionários das indústrias Ford, que se instalaram lá no começo do século 20 para a extração de borracha.

Fradão
Onde: Pará
Prato: Filhote de pai-d’égua. Um vinagrete com feijão servido com farofa, arroz e peixe filhote no espeto.

Mulatinho
Onde: Parte do Nordeste
Prato: Feijoada nordestina. É como a tradicional, mas acrescida de abóbora e aipim.

Feijão-de-corda
Onde: Ceará
Prato: Baião-de-dois. Uma mistura de feijão, carne de charque e arroz, regada com manteiga de garrafa.

Fradinho
Onde: Bahia
Prato: Acarajé. Bolinho de feijão recheado com vatapá, camarão e vinagrete.

Preto
Onde: Rio de Janeiro
Prato: Feijoada. O clássico da culinária brasileira: feijão com carne de porco.

Branco
Onde: Santa Catarina
Prato: Eisbein com feijão-branco. Joelho de porco cozido, servido tradicionalmente com feijão-branco.

Preto
Onde: Rio Grande do Sul
Prato: Feijão tradicional. Amigo inseparável do nosso arroz branco.

Cavalo
Onde: Paraná
Prato: Salada de feijão-cavalo. Salada simples de feijão, cebola e azeite. É servida para acompanhar a carne de churrasco.

Jalo
Onde: Minas Gerais
Prato: Feijão-tropeiro. Feijão sem caldo misturado com farinha de mandioca e ovos fritos em pedaços.

Rosinha
Onde: Centro-Oeste
Prato: Feijão à moda do Pantanal. Uma mistura de feijão, lombo de porco, lingüiça e repolho-branco.

Carioca
Onde: Em todo o país
Prato: É usado em diversas preparações.
Fonte:
Postar um comentário