segunda-feira, 29 de março de 2010

Tilápia a Cocais! Apresentado no Programa Atualidades

A Quaresma, que começou na Quarta-feira de Cinzas, termina na próxima semana. Muita gente mantém a tradição que comer peixe, então trouxemos uma sugestão para sair um pouco do convencional. O prato é premiado: Filé de tilápia empanado com coco e servido com purê de abóbora. Uma receita fácil e bem rápida de fazer, vale a pena conferir.


Assista o Programa nesse Link: http://rmtonline.globo.com/addons/video_player.asp?em=3&v=18109

Afinal, o que é "A carne verde"?

No período colonial, sabemos que os portugueses chegaram ao Brasil com o claro objetivo de explorar o potencial econômico de nossas terras. Os lusitanos procuravam empreender atividades econômicas que tivessem alta demanda no mercado consumidor europeu. Desta forma, observamos que o mercado externo era bem mais valorizado do que os outros negócios que atendessem a população local. 

Essa política de exploração, além de revelar um importante aspecto da colonização, também acabou influenciando em nossa cultura alimentar. Preocupados em explorar ao máximo as terras propícias ao cultivo da cana-de-açúcar, os portugueses firmaram um decreto que permitia a criação de gado à somente oitenta quilômetros de distância da faixa litorânea. Além disso, podemos ver que a atividade pecuarista era geralmente empreendida pelas classes menos privilegiadas da sociedade colonial.

No fim das contas, essas ações acabaram contribuindo para que o acesso à carne no mundo colonial fosse uma tarefa repleta de dificuldades. Criados em regiões mais distantes e sem a utilização de pastos com boa qualidade, a carne bovina chegava aos grandes centros consumidores sendo magra, dura, pútrida e com sabor nada agradável. Com isso, as carnes com uma qualidade um pouco maior se transformaram em uma iguaria com alto valor.

A carência do produto pode ser observada até mesmo quando os bandeirantes empreendiam as suas expedições pelo interior do território. Sem contar com grandes recursos, seus integrantes formavam pequenas roças nos caminhos que atravessavam e se valiam da caça de animais selvagens para incrementarem a sua precária dieta. Muitas vezes, o charque, também conhecido como carne seca, era uma das soluções mais viáveis para as cidades encravadas no vasto sertão brasileiro.

Mediante tantos problemas, vemos que o consumo da carne bovina compunha uma verdadeira odisseia na cultura alimentar da população brasileira. Por este motivo, a criação e o consumo de carne suína se transformou em uma alternativa mais eficiente para época. A praticidade da carne de porco era tão grande que até os banquetes das elites eram fartamente regados pela iguaria.

De fato, entre comer uma carne bovina de qualidade altamente duvidosa e comer uma “carne verde” (ou seja, carne fresca) de porco, a população daquela época facilmente partiu para a segunda opção. A materialidade dessa predileção acabou se transformando no tema de “Açougue de Carne de Porco” (acima), uma das várias gravuras produzidas pelo artista Jean Baptiste Debret em suas viagens pelo Brasil do século XIX.

Por Rainer Sousa

quinta-feira, 25 de março de 2010

Nhoque de Mandioquinha

A mandioquinha, ou também conhecida como batata-baroa, é um alimento que contém quantidades razoáveis de vitaminas do Complexo B (principalmente Niacina) e sais minerais como Cálcio e Fósforo.
A Niacina é muito importante para o organismo, pois evita problemas de pele, do aparelho digestivo e sistema nervoso. O Cálcio e o Fósforo fazem parte da formação dos ossos e dentes. No entanto, a mandioquinha é um alimento altamente energético e por esse motivo é bastante indicada na alimentação infantil.
Deve ser conservada em lugar fresco e arejado, ou na gaveta de legumes da geladeira. Lá se mantém em boas condições por 2 a 3 semanas.
Seu período de safra vai de janeiro a setembro.
Nhoque de mandioquinha

Ingredientes:
01kg de mandioquinha
02 ovos brancos
400g de farinha de trigo
Sal a gosto
Nós moscada a gosto
Salsinha picada a gosto
100g de queijo parmesão ralado fino

Modo de preparo:

Descasque e cozinhe a mandioquinha em agua fervente, até ficar mole.
Esprema até que vire um pure liso. Coloque por cima de uma mesa e misture o restante dos ingredientes (obs: se precisar de mais farinha, adicione pouco a pouco até o ponto desejado), sove bem até transformar em uma massa homogenea.
Faça pequenos cones com a massa enrrolando a como se fosse um canelone , corte com a faca do tamanho desejado, cozinhe em agua fervente até começar a boiar, se for armazernar, esfrie imediatamente no gelo, ou se for servir na hora, apenas adicione o molho desejado.

O molho fica a gosto!!
Rend : 10 porções

sexta-feira, 19 de março de 2010

Alimentos Industrializados

Alimentos Industrializados
Quais os riscos de tanta praticidade?

Os produtos industrializados ocupam uma parcela cada vez maior do mercado de alimentos. Eles são bastante práticos, pois já vêm prontos ou semi-prontos. Entretanto, para conseguir a praticidade e durabilidade dos produtos, os fabricantes se utilizam de milhares de aditivos químicos.
Conheça os aditivos químicos mais usados e saiba suas conseqüências para a saúde antes de optar por um alimento industrilizado.

Os produtos industrializados ocupam uma parcela cada vez maior do mercado de alimentos. Eles são bem práticos, pois já vêm prontos ou semi-prontos. O único trabalho é abrir a embalagem, e mesmo as embalagens estão cada vez mais fáceis de abrir. Além da praticidade, os alimentos industrializados também possuem um prazo de validade bem maior do que os produtos "in natura", tornando fácil o armazenamento. Vieram para ficar e representam uma solução para a vida corrida das grandes cidades.

Acontece, porém, que existe uma regra universal, de conhecimento popular, chamada lei das compensações. De acordo com ela, as coisas boas, na maioria das vezes, não são tão boas quanto parecem, assim como as ruins também não são tão ruins quanto possam parecer à primeira vista. Em tudo há uma parte boa e uma parte ruim. Assim, importa analisar os prós e os contras para decidir o que é melhor.

Como não poderia deixar de ser, esta regra se aplica também aos alimentos industrializados. Para conseguir a praticidade e durabilidade dos produtos, os fabricantes se utilizam de milhares de aditivos químicos, que, na grande maioria das vezes, não fazem bem à saúde de quem os consome com freqüência. O uso desses produtos químicos deve ser discriminado nas embalagens dos alimentos. O nome de muitos desses produtos químicos vêm codificados, talvez para que o consumidor não se assuste ao ler estas informações do rótulo. Portanto, é uma questão de escolher entre o aspecto saudável dos alimentos "in natura", e a praticidade dos alimentos artificiais e/ou industrializados.
Os produtos químicos encontrados com maior freqüência nos alimentos industrializados são: 

  • Corantes
  • Aromatizantes
  • Conservantes
  • Antioxidantes
  • Estabilizantes
  • Acidulantes
 Conheça melhor esses aditivos químicos:
 
Corantes
 
A função dos corantes é "colorir" os alimentos, fazendo com que os produtos industrializados tenham uma aparência mais parecida com os produtos naturais e mais agradável, portanto, aos olhos do consumidor. Eles são extremamente comuns, já que a cor e a aparência tem um papel importantíssimo na aceitação dos produtos pelo consumidor. Uma gelatina de morango, por exemplo, que fosse transparente não faria sucesso. Um refrigerante sabor laranja sem corantes ficaria com a aparência de água pura com gás, o que faria que parecesse mais artificial, dificultando sua aceitação. É inegável que uma bebida com sabor de laranja e com cor de laranjada é muito mais agradável de se beber do que uma bebida incolor com gosto de laranja.
Os corantes são encontrados na grande maioria dos produtos industrializados, como as massas, bolos, margarinas, sorvetes, bebidas, gelatinas, biscoitos, entre outros.
 
Aromatizantes
 
Os aromatizantes tem por função dar gosto e cheiro aos alimentos industrializados, realçando o sabor e o aroma. Assim como os corantes, os aromatizantes também fazem com que os alimentos industrializados se pareçam mais com os produtos naturais, pois como já foi dito, isso é essencial na aceitação do produto pelo consumidor.
Informar que um salgadinho artificial de milho tem sabor e cheiro de presunto ou de churrasco faz com que ele seja mais aceitável, já que o consumidor vai reconhecer naquele produto um sabor que ele já conhece, de algum outro produto não industrializado que ele já comeu, causando a falsa impressão de que o produto não é tão artificial assim.
Muitos alimentos não possuem em sua composição as frutas que as embalagens anunciam, mas apenas aromatizantes que lhes imitam o sabor e aroma. São encontrados em sopas, carnes enlatadas, biscoitos, bolos, sorvetes, entre outros.
 
Conservantes
Ao contrário dos corantes e aromatizantes, os chamados conservantes não possuem função de fazer com que os produtos industrializados pareçam ser o que na realidade não são, ou seja, naturais. Sua meta é evitar a ação dos microorganismos que agem na deterioração dos alimentos, fazendo com que durem mais tempo sem estragar.
É possível reconhecer o uso de conservantes na composição dos produtos a partir da leitura dos rótulos das embalagens. Eles são caracterizados pelos códigos P1 a P10. São encontrados em refrigerantes, concentrados de frutas, chocolates, sucos, queijos fundidos, margarinas, conservas vegetais, carnes, pães, farinhas e em milhares de outros alimentos industrializados.

Antioxidantes
Assim como os conservantes, os antioxidantes procuram manter os alimentos em boas condições de consumo por mais tempo. Eles tem sua principal aplicação em óleos e gorduras, impedindo ou retardando sua deterioração, evitando a formação de "ranço" por algum processo de oxidação.
Podem ser encontrados em sorvetes, leite em pó instantâneo, leite de côco, produtos de cacau, conservas de carne, cerveja, margarina, óleos e gorduras em geral, farinhas, polpa e suco de frutas, refrescos e refrigerantes.

Estabilizantes
São utilizados para manter a aparência dos produtos, tendo como principal função estabilizar as proteínas dos alimentos. É possível identificá-los nos rótulos das embalagens pelos códigos ET1 até ET29.

Acidulantes
São utilizados principalmente nas bebidas com função parecida com a dos aromatizantes.
Os acidulantes podem modificar a doçura do açúcar, além de conseguir imitar o sabor de certas frutas e dar um sabor ácido ou agridoce nas bebidas.
Também aparecem codificados nas embalagens, sendo reconhecidos pela letra H. São encontrados nos sucos de frutas e refrigerantes, entre outros.

 Aditivos Alimentares
(Fonte: Cartilha Novas Tecnologias - Procon-PBH)

Os aditivos alimentares são largamente utilizados pela indústria alimentícia. Aqui vale a máxima "é a dose que faz o veneno". Na prática isso significa controlar o consumo de alimentos industrializados, diversificando ao máximo a dieta. Assim, o consumidor elimina o risco de estar acumulando altos níveis de uma determinada substância química no organismo. A dosagem de cada um dos aditivos considerada segura é determinada pela FAC e pela OMS - respectivamente Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura e Organização Mundial de Saúde. Veja o significado e a indicação dos estranhos nomes nos rótulos dos produtos industrializados:

C: São corantes naturais (Cl) ou artificiais (C2).
F: Indica aromatizantes ou flavorizantes, que têm o papel de realçar, respectivamente, o odor e o sabor dos alimentos. Há naturais e artificiais.
EP: Sinónimo de espessante, cuja função é dar consistência ao alimento. Geralmente, é de origem vegetal.
U: É o umectante. que impede o ressecamento do alimento.
AU: São os anti-umectantes, que evitam a absorção de umidade.
ET: Indica a presença de estabilizantes para impedir que os diferentes ingredientes se separem. Os mais comuns são óleos naturais.
H: Sigla dos acidulantes, responsáveis por acentuar o sabor ácido do alimento industrializado. Alguns estão naturalmente presentes nas frutas.
D: Ou edulcorantes. Usados nos produtos dietéticos em substituição ao açúcar
P: Significa a presença de conservantes.
A: São os anti-oxidantes, que evitam a rancificação de produtos gordurosos.



Dicas - Produto Aditivos Possíveis Principal Risco

Salsicha
Antioxidante e realçador de sabor.
Os conservantes mais usados em embutidos são os nitritos e nitratos, reconhecidamente carcinogênicos. Não se iluda achando que salsichas sem corante tomam-se um alimento saudável.
Reduza ao mínimo o consumo de embutidos dando preferência às carnes frescas.

Pudins e Iogurtes
Espessante, aromatizante, acidulante, conservante e corante.
Nessa classe de produtos, os corantes e conservantes representam o maior risco. Em excesso, podem causar alergias e disfunções digestivas e metabólicas.
Pudins feitos em casa são imbatíveis e uma coalhada enriquecida com frutas frescas é uma opção melhor do que o iogurte industrializado.

Hambúrguer
Antioxidante, conservante. corante, estabilizante, realçador de sabor.
O glutamato monossódico, um reforçador de sabor já foi alvo de acusações de ser carcinogênico, mas não há comprovação científica a respeito.
Sempre que possível, substitua o hambúrguer industrializado por um caseiro, feito com carne moída fresca.

Gelatinas, Balas e Doces
Acidulante, aromatizante e corantes artificiais
Os corantes são os vilões, pelo risco de alergias. A longo prazo, há suspeitas de que possam levar a danos digestivos, metabólicos e até neurológicos.
Uma boa substituição são os doces e caramelos caseiros. além de gelatina de folha, transparente. enriquecida com suco natural de frutas.

terça-feira, 16 de março de 2010

Receitas Asiáticas


Esse site contem muitas receitas asiáticas.
Vale a pena acessar.

Novo Conceito em Cozinha - Montréal, Canada


O Kitchen Galerie é um restaurante diferente: nele não trabalham garçons, mâitre d', faxineiros, bartenders, enfim, não há nenhum funcionário além dos dois chefs/donos Mathieu Cloutier e Jean-Philippe St-Denis (e três sous-chefs). Quando você chega lá, são eles que te recebem e te levam até sua mesa. São eles que explicam o menu, que muda todos os dias de acordo com os produtos disponíveis no mercado Jean Talon (aliás, não é raro encontrá-los zanzando pelo mercado, que fica pertinho dali). São eles que abrem o vinho, trazem a água e a comida. São eles que tiram a mesa e trazem a conta, e sim, são eles que passam o cartão de crédito na maquininha.

Esse conceito traz, na minha opinião, duas coisas novas na experiência de quem vai ao restaurante: primeiro, acaba com a imagem do chef como alguém distante e inatingível. Já fomos lá três vezes (duas delas com a Fabrícia e o Mohamed) e os chefs, muito simpáticos, nos tratam como amigos íntimos. Segundo, o fato de você estar sendo servido por alguém que não só entende daquilo mas que teve um papel direto na concepção e no preparo do que você está comendo faz você se sentir realmente especial. É como comer na casa de alguém que cozinha muito, mas muito bem.

Aliás, caseira é a palavra perfeita para definir a atmosfera do restaurante. Pequeno, com não mais do que doze mesas e a cozinha, que fica bem no meio, é aberta para todos verem. Também só se prepara um serviço por noite, o que significa que você não tem que sair para ceder sua mesa aos próximos clientes (nós, de fato, quase saímos com os chefs fechando as portas...). A decoração é simples e minimalista, com mesas de madeira sem toalha, cadeiras confortáveis, fotos em preto e branco e algumas panelas de cobre penduradas nas paredes. E a comida é simplesmente deliciosa.


Kitchen Galerie
60 rue Jean-Talon Est
Montréal, QC H2R 1S5, Canada
(514) 315-8994 (514) 315-8994
Website: http://www.kitchengalerie.com/  

segunda-feira, 15 de março de 2010

Minha turma de Cozinheiro Internacional(My Internacional Cook class ) 2010

Essa é a primeira turma do ano de 2010.
E esta sendo um grande prazer transmitir os meus conhecimentos. E Muitas outras virão, mas nunca uma será igual a outra. Essa turma está de parabéns!!!

This is the first class of 2010.
And this is a great pleasure to convey my knowledge. And Many others will come, but will never be equal to another. This class is to be congratulated!

sábado, 6 de março de 2010

Hamburguer - Estilo de vida americano


Dêem uma olhada nesse site, para você que é amante de um bom hamburguer, acessem - http://www.cheeseandburger.com/